sábado, 19 de setembro de 2009

Poesia Bela...Oh! Alma.






OH! ALMA

A mão que impunha a bandeira do ideal
Da felicidade
Na libertação;
A mão quente que consola e cura
Que afaga o triste
E ergue o fraco,
A mão que ceifa o erro
E semeia a vida entre o bem e o mal,
Não poderia no calor da festa
Suportar a réplica dos céus partidos
Sem a carícia da mãozinha frágil,
Da mão etérica da Alma!
O olhar enigma que ora é tristonho,
ora é severo e lembra o sol,
O olhar vermelho que expele o fogo
Da paixão universal,
É também o olhar amigo,
Do eterno amigo
De olhar profundo e mágico.
A cabeça branca que tanto decifra enigmas humanos.
A cabeça que muitas vezes humilde e quieta
Desafia a prepotência,
Não seria erecta não seria quieta,
Não encotrasse em ti oh! Alma
O feminino e terno azul de sua Vida!
Os pés cansados de romper, na rocha
A estrada longa que nos leva a Aurora,
Somente ao lado dos seus pés oh! Alma,
Encontra forças para a grande empreita.
A boca incendiada pelo verbo
A incandescer mil almas geladas,
Não deixa de aspirar,oh! Alma,
Não deixas de aspirar o beijo
Da boca ardente e igual!

(ALÓDIO TOVAR)

2 comentários:

CURANDO!!!