sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Dicas de como Tratar Bolhas Pequenas com Água nos Pés ou Mãos -Disidrose (eczema disidrótico)


A disidrose é um eczema localizado em mãos e pés, ocorrendo em surt
os alternados a períodos sem sintomas. A palavra disidrose (dis=defeito e hidrose=produção de água ou suor) foi usada pela primeira vez em 1873, porque na época acreditava-se que a doença era causada por distúrbios sudoríparos. Já em 1876, alguns estudos atribuíram a doença a fatores nervosos e modificaram o nome para Phompholix. 

Atualmente a disidrose é considerada uma reação eczematizada. 

Assume características peculiares por atingir mãos e pés, onde a pele tem características especiais, sendo mais espessada. 
O líquido presente nas lesões resulta de processo inflamatório. 
A alteração do suor, embora não seja fator causal, é um importante agravante das lesões. Verifica-se também que outros fatores, como alterações climáticas e estresse emocional constituem significativos fenômenos desencadeantes. Por isso, alguns autores preferem utilizar o termo Eczema Disidrótico.


Como se manifesta:
Na disidrose, surge primeiro o prurido (coceira) que se segue do aparecimento de pequenas vesículas endurecidas esbranquiçadas ou amareladas, embaixo da pele, com aspecto de grãos de “sagu”, atingindo principalmente a face lateral dos dedos, as palmas das mãos e as plantas dos pés. Posteriormente, tendem a secar, ficando a pele espessada, endurecida, podendo descamar ou “rachar” até o tecido mais profundo, ocasionando fissuras doloridas. A coceira pode ser intensa e o ato de coçar pode romper as bolhas que eliminam líquido transparente. Na verdade, a manifestação pode variar desde uma coceira leve até assumir formas bastante desconfortáveis, acompanhada de ardência e/ou dor. As lesões podem ocorrer em pequeno número ou acometer praticamente toda a superfície das mãos ou dos pés. Em alguns casos, pode ocorrer infecção bacteriana secundária e se acompanhar de secreção com pus.Causas 
A disidrose pode ser devida a vários fatores, que podem atuar de forma isolada ou em conjunto. Em alguns pacientes a causa não é estabelecida, sendo estes casos denominados idiopáticos.


As principais causas que podem desencadear ou agravar a disidrose são:
-Distúrbio funcional das glândulas de suor,
-Fatores emocionais e estresse,
-Infecções fúngicas,
-Determinados medicamentos, como por exemplo, penicilina.
Além disso, a disidrose pode se associar à dermatite atópica ou a dermatite de contato.

Tratamento 

O tratamento da disidrose é semelhante ao dos eczemas, podendo variar em cada caso. Envolve as seguintes medidas:
- afastamento da causa,
- cuidados gerais,
- uso de medicamentos tópicos (cremes e pomadas)
-tratamento das condições associadas (fungos, infecções por bactérias, entre outras.



Dicas de Remédios Naturais

Óleo de coco extra virgem
Entre os remédios caseiros tem o ‘ óleo de coco que é extraído dentro de um coco maduro. Há vários usos, da cozinha para o cuidado da pele e cabelo.
Algumas pessoas tomam o óleo internamente com a colher ou adicionado ao chá e outras bebidas.
Também pode ser usado externamente e é muito eficaz.
É necessário aplicar uma pequena quantidade de óleo de coco sobre as palmas das mãos, esfregue-o sobre as áreas afetadas e cobrir as mãos com luvas de algodão.
Deixa uma sensação de umidade nas mãos sem a necessidade de produtos químicos adicionados as loções.


Sal de Epsom
O sal de Epsom é um mineral natural que ajuda na remoção de ácidos indesejáveis da pele.
Existem duas maneiras de ajudar com eczema disidrotico.
Colocar algumas colheres em uma bacia de água morna até que se dissolva completamente.
Colocar as mãos na água por 10-15 minutos.
Isto ajuda a reduzir o inchaço e vermelhidão causada por lesões cutâneas e amacia as borbulhas permitindo a drenagem.
A adição de cerca de 450 gramas em uma banheira de água quente é suficiente.

Shampoo Selsun azul
O selsun azul é um shampoo anticaspa que ajuda em caso de pele rachada e escamosa no couro cabeludo.
Existe alguns diferentes tipos disponíveis.
O shampoo azul contém sulfeto de selênio.
O shampoo Selsun azul também contém vitaminas e substâncias hidratantes.
Lavar o cabelo regulamente com outros e produtos parece agravar as condições das mãos.
De acordo com alguns pacientes, a versão light parece mais eficaz para a disidrose leve.
Isso deve queimar menos porque não contém mentol.


Óxido de zinco
O óxido de zinco é usado em cremes que são usados para prevenir erupções de fraldas, queimaduras e irritações da pele.
Esta substância forma uma barreira para proteger a pele dos irritantes e umidade.
O óxido de zinco também é útil em casos de grave disidrose com muitas vesículas, pele seca e rachada que limita o movimento.
Seria necessário aplicar uma camada espessa sobre a área afetada e em seguida, cubrir com luvas.
É bastante certo, as mãos podem melhorar dentro de 24 horas.
As vesículas e as rachaduras na pele secam e a pele morta começa a esfoliar.

Óleo de Tea Tree. 
Um dos métodos de tratamento mais eficazes e completamente natural para o eczema disidrótico leve.
Esse remédio funciona muito melhor do que a cortisona tópica e permite a total esfoliação da pele.

Esta cura natural ajuda a tornar a pele lisa e menos vermelha.

Fonte de Pesquisa-Blog da Alergia
http://www.fisioterapiaparatodos.com/

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Saiba mais sobre Acupuntura...Medicina Oriental.



A acupuntura ou acupunctura (do latim acus - agulha e punctura - pontoada[1]) é um ramo da Medicina Tradicional Chinesa e um método de tratamento considerado complementar de acordo com a nova terminologia da OMS - Organização Mundial da Saúde.

A acupuntura consiste na aplicação de agulhas, em pontos definidos do corpo, chamados de "Pontos de Acupuntura" ou "Acupontos", para obter efeito terapêutico em diversas condições.

Atribui-se o nome "Acupuntura" a um jesuíta europeu que retornando da China, no século XVII, adaptou os termos chineses "Zhen" e "Jiu", juntando as palavras latinas "Acum" (agulha) e "Punctum" (picada ou punção), como visto.

A tradução literal do termo chinês, no entanto, é bem diferente. O correto seria Zhen (agulha) e Jiu moxa ou seja "longo tempo de aplicação do fogo".

A tradução causa a impressão de que o terapeuta só trabalha com agulhas. Os pontos e meridianos também podem ser estimulados por outros tipos de técnicas. Na verdade, os pontos de Acupuntura podem ser estimulados por: agulhas, dedos (acupressão) caracterizando distintas variantes da técnica de massagem chinesa (tui na, shiatsu, do-in); stiper (do inglês Stimulation and Permanency - Estimulação Permanente); ventosa ou pelo aquecimento promovido por moxa ou seja, longo tempo de aplicação do fogo", - um bastão de artemísia em brasa, que é aproximado da pele para aquecer o ponto de acupuntura. Há, também, o método de estimulação por laser, ainda em estudos.Ação Central da Acupuntura
O estímulo da agulha de Acupuntura atinge áreas do encéfalo mais elevadas, como o Hipotálamo e a Hipófise, promovendo o equilíbrio do funcionamento destes centros. Como a Hipófise é uma Glândula, ocasionalmente chamada de Glândula Mãe, que coordena a função de diversas outras glândulas do corpo, o efeito da Acupuntura sobre este órgão afeta o funcionamento das Glândulas supra renais, da Tireoide  dos ovários, dos testículos, e assim tem ação terapêutica sobre a Hipertensão arterial, Dismenorreia  Tensão pré-menstrual, disfunções da Libido, e outras patologias.Neurotransmissores na Acupuntura

Até o presente momento, sabe-se que a Acupuntura afeta a expressão e ou liberação de serotonina, e dos peptídeos opioides beta-endorfina, meta-encefalina, e dinorfina. A colecistocinina, peptídeo envolvido no processo digestivo, é antagonista da acupuntura.[10] Considerando que a colecistocinina é estimulante da secreção ácida do estômago, temos daí a compreensão do efeito benéfico da acupuntura sobre as gastrites, úlceras e na Doença de refluxo gastroesofágico. A Naloxona, inibidor da ação de opioides  muito utilizada em Medicina antagoniza os efeitos da Acupuntura.[11] Em dado momento, postulou-se que a ação da Acupuntura seria fruto apenas da liberação de endorfinas, entretanto, a rápida instalação da analgesia e sua duração maior que o tempo de aumento da quantidade de opioides pela Acupuntura liberados demonstra que outros mecanismos estão envolvidos.

Acupuntura
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Falar sobre Antioxidantes










Muito tem-se falado sobre os antioxidantes e seu eventual papel no retardamento dos efeitos do envelhecimento.

Essa informação tornou-se um paradigma tão bem estabelecido no meio científico que quase a totalidade dos pesquisadores que lidam com o metabolismo incluem em seus argumentos, na forma de um pressuposto básico, que os "antioxidantes contribuem para retardar os efeitos do envelhecimento" e outros benefícios desses compostos.

Contudo, essa afirmação vem sendo questionada por estudos criteriosos já há algum tempo.

Em 2008, duas equipes foram taxativas em suas conclusões, afirmando que os antioxidantes não retardam envelhecimento e demonstrando isso de forma experimental.

Em 2011, cientistas alemães se concentraram nas chamadas espécies reativas de oxigênio, mais conhecidas como radicais livres. Como os radicais livres são oxidantes - causam oxidação - os antioxidantes contrapõem-se aos seus efeitos.

Mas o estudo mostrou que os oxidantes não estão associados com o envelhecimento, como se supunha:

Esqueça (quase) tudo que você sabe sobre oxidantes e antioxidantes
Na verdade, já se demonstrou que os hoje tão temidos radicais livres controlam a força das batidas do coração, são cruciais no controle do apetite e, ao contrário do que se apregoa, que os radicais livres podem ter um efeito antienvelhecimento.

Linha anti-antioxidantes


Agora, essa linha de pesquisas ganhou uma adesão de peso.

Ninguém menos do que James Watson, um dos ganhadores do Prêmio Nobel pela descoberta do DNA, publicou um longo artigo na revista New Scientist onde ele enumera inúmeros estudos e argumentos contra a visão simplista de que oxidantes são do mal e antioxidantes são do bem.

De fato, os oxidantes, embora essenciais para nossos processos biológicos, podem se tornar tóxicos quando se acumulam em excesso - como, de resto, a maioria das substâncias.

"Mas essa visão simplista negligencia evidências de que está em jogo um sistema mais complexo," alega o Dr. Watson.

"Por exemplo, legumes como a couve-de-bruxelas e o brócolis, que têm sido associados com benefícios anticâncer, na verdade produzem esses benefícios através de sua capacidade de promover processos celulares pró-oxidativos, e não antioxidantes," exemplifica ele.

Estudos recentes também mostraram que um conhecido antioxidante, a vitamina E, pode na verdade aumentar o risco de câncer de próstata.

Nessa mesma área, a falta de conhecimento dos processos biológicos como um todo, como argumenta o Dr. Watson, ficou claro quando se demonstrou que a vitamina E protege contra o câncer, mas não em suplementos.

Ou seja, o câncer, assim como os outros processos associados ao envelhecimento, claramente não responde unicamente à dupla oxidante-antioxidante.

Não sabemos o suficiente

"Eu suspeito que, uma vez que a célula entra em seu processo de divisão, ela usa a síntese de antioxidantes para proteger as cadeias individuais vulneráveis do DNA que está sendo replicado.

"Ainda que a maioria dos terapeutas de câncer suspeite há muito tempo que as células em divisão são mais vulneráveis aos agentes matadores de células, a verdade pode ser exatamente o oposto," escreve o Dr. Watson.

Segundo ele, a única área que parece ser uma exceção - fazendo com que os antioxidantes de fato desempenhem um papel positivo como agente terapêutico - é no campo das demências.

"Talvez devêssemos testar antioxidantes apenas em indivíduos com risco de doenças neurodegenerativas. A razão para isso é dada por um certo número de estudos que mostram evidências de que a doença de Parkinson pode resultar de uma exposição não intencional a oxidantes fortes. Nós ainda não sabemos por que as pessoas com doença de Parkinson têm 30% menos cânceres sólidos de todas as formas, mas poderia ser devido a níveis de antioxidantes menores (causados geneticamente)," propõe o nobelista.

"No momento, nós claramente não temos dados suficientes para levar o mundo na direção do uso seja dos oxidantes, seja dos antioxidantes," conclui ele.

Fonte de Pesquisa-
Diário de Saúde